O grito da coruja

Um guincho horrendo seguido de pancadas surdas ao lado da parede de seu quarto a acordaram. “Amor!” ela chamou. Suas mãos apoiadas no colchão enquanto seu tronco tentava desesperadamente colocar-se ereto. Os olhos estavam arregalados e uma mão tateava, atrapalhada, um móvel logo ao lado da cama. Finalmente, achou os óculos e vestiu-os sedenta para…